GED - Grupo Executivo Diocesano

 

O que é?

Grupos Executivos

Grupos Executivos são grupos constituídos por cristão responsáveis pelo MCC nas Dioceses, nas Regiões Pastorais em que está dividida a Igreja no Brasil, e no nível nacional. Dizem-se "executivos" pela tarefa que lhes é própria de "executar" as decisões e deliberações das Assembléias. Não são organismos de mando e não exercem qualquer poder, nem têm jurisdição sobre outros grupos. São, antes, sinais e promotores de comunhão e participação. Estas sim é que
são as determinantes que fazem assumir decisões e deliberações tomadas em comum nas Assembléias. Para mais amplas informações sobre nas Assembléias do MCC e sobre os Grupos Executivos, consulte-se o Estatuto do Movimento aprovado pela CNBB.


GRUPO EXECUTIVO DIOCESANO - GED

Eleito pela Assembléia Diocesana do Movimento de acordo com os respectivos Regimentos Internos e com o Estatuto do MCC, aprovado pela CNBB, cabe ao GED coordenar o MCC em sua Diocese. O carisma da coordenação constitui um verdadeiro ministério ou serviço que os responsáveis assumem em suas áreas. Assim, supera-se a dimensão meramente administrativa do GED, que passa a ser um órgão de coordenação pastoral do MCC. Não cabe mais delegar a uma pessoa ou a um casal atribuições tais como "responsáveis pelo Pré-Cursilho", "responsáveis pelo Cursilho de Três Dias" ou, mais oneroso ainda, "responsáveis pelo Pós-Cursilho". De fato, como delegar a alguns uma tarefa e uma missão que são de todos?

O Movimento é um Movimento de Igreja. Mas a Igreja se concretiza na Igreja Particular, a Igreja Diocesana. Sempre se insistiu e torna-se a insistir que o MCC é um Movimento Diocesano: só pode iniciar-se em uma Diocese com o consentimento escrito do respectivo Bispo. Por não se levar em conta a "diocesaneidade" do Movimento, é que se criaram, em muitos casos, situações delicadas de relacionamento quer com o Bispo, quer com os sacerdotes e outros agentes de Pastoral. Esse caráter diocesano do MCC não significa, entretanto, a abdicação de sua essência, de sua finalidade, de seu compromisso pastoral específico. Também não se compreende que, por ser diocesano, o Movimento passe a ser manipulado e orientado para outros objetivos que não os que caracterizam seu carisma. Por isso, antes de prová-lo, é conveniente que o Bispo conheça, em detalhes, o carisma do MCC. Somente assim serão possíveis um desenvolvimento harmônico do Movimento e um autêntico pastoral.

O GED desempenha um papel importante na tarefa de coordenar o trabalho e a presença dos Núcleos Ambientais: juntamente com a Coordenação Pastoral Diocesana, escolhe os ambientes prioritários, campo de ação da Pastoral Ambiental; possivelmente a cada semana, através de sugestões bíblicas e do respectivo tempo litúrgico, fornece elementos para reflexão dos núcleos (Julgar); acompanha a presença de cada núcleo através de representantes dos mesmos em suas reuniões de formação e avaliação. Por sua vez, são esses representantes que transmitem aos NCAs as orientações da Pastoral Diocesana e, para ela, trazem suas experiências pastorais. O GED marca os Cursilhos na medida em que forem necessários e quando haja candidatos aptos para os objetivos do Movimento.


GRUPO EXECUTIVO REGIONAL - GER

Seus responsáveis são eleitos pelas Assembléias Regionais do MCC que, no Brasil, têm quase sempre o mesmo organograma regional da Conferência dos Bispos do Brasil (CNBB). Em conformidade com o Estatuto, participam das Assembléias Regionais os respectivos GEDs. Da mesma forma que os GEDs, os GERs têm não só funções administrativas, mas também de coordenação pastoral do MCC em suas regiões. As mesmas qualidades exigidas dos responsáveis pelos GEDs devem-se manifestar nos responsáveis pelos GERs. Além disso, devem manter constante diálogo pastoral com os Bispos da respectiva Regional e com o Secretário Regional da CNBB. Transmitem aos GEDs as orientações do GEN em função da execução da missão d Movimento e de seus objetivos, bem como do que lhes foi confiado pela Assembléia Nacional. E são, ainda, os proclamadores da orientação pastoral regional. Não exercem, como já foi dito, nem um poder, jurisdição ou controle imediato sobre os GEDs, pois são órgãos de coordenação e não instâncias de decisão.


GRUPO EXECUTIVO NACIONAL - GEN

Seus responsáveis são eleitos pela Assembléia Nacional do MCC, congrega todos os GERs do Brasil. Mandato, atribuições, responsabilidades do GEN são explicitados no Estatuto do MCC. Entretanto - e como os demais Grupos Executivos - o GEN deve constituir um grupo de atuação pastoral, mais do que administrativa ou funcional. Último responsável diante da Igreja no Brasil pelo MCC, o GEN deve primar pela capacidade de diálogo com todas as suas instâncias, desde as diocesanas até as regionais. Além disso, deverá cultivar um diálogo permanente com a CNBB, uma vez que é o responsável pela transmissão ao MCC em âmbito nacional, de toda a orientação pastoral da Igreja no Brasil. Esse diálogo é facilitado pela comunhão do MCC do Brasil com o Conselho Nacional de Leigos (CNL), de cuja vida participa ativamente desde a criação deste Conselho.

Cabe, ainda, ao GEN representar o MCC do Brasil junto aos demais órgãos do MCC em nível internacional: o Organismo Mundial - OMCC, cuja sede muda a cada quatro anos, e com
o Escritório Latino-americano - OLCC, também instalado periodicamente no país eleito nos Encontros continentais. Esses organismos, por sua vez, exercem funções de
comunhão e de comunicação de experiências. O Organismo Mundo do MCC representa o Movimento diante dos
Organismos da Santa Sé.




 

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player